É considerado um procedimento de baixo risco, realizado normalmente de forma rápida, com anestesia local e sedação para o paciente dormir. O cirurgião faz um corte de aproximadamente 5 cm na região superior do tórax do paciente, habitualmente do lado esquerdo, não sendo necessário cirurgia do coração com o peito aberto. Um ou dois eletrodos são introduzidos até o coração através de uma veia e conectados ao desfibrilador que fica alojado abaixo da pele.

Após a cirurgia, o paciente passa a noite no quarto do hospital e recebe alta para casa no dia seguinte com as orientações e cuidados com o desfibrilador (CDI). A cicatriz é discreta e os pontos não visíveis pois são feitos abaixo da pele. É necessário fazer a troca do curativo por apenas 3 dias e não precisa retirar os pontos, que são absorvíveis.

Um mês é o tempo de fixação definitiva dos eletrodos no músculo do coração e, durante esse período, deve-se evitar esforços em geral e elevar o braço acima da cabeça.

A primeira avaliação médica do desfibrilador acontece no consultório 30 dias após a cirurgia. Através de um computador especial as informações do CDI são analisadas e a programação do dispositivo é realizada de acordo com as necessidades do paciente.

Possíveis complicações da cirurgia para implante do CDI

Ao implantar um desfibrilador (CDI) é importante saber que existe um pequeno risco de complicações. Durante a recuperação da cirurgia deve-se comunicar ao médico a ocorrência de febre (temperatura > 37.8°C) ou hematoma no local da cirurgia. Há também um risco menor de deslocamento do eletrodo implantado no coração, extravasamento de ar ou sangue para a pleura que reveste o pulmão e outras raras complicações que podem ser esclarecidas em consulta com seu médico.

Para proporcionar maior entendimento a respeito do CDI (cardiodesfibrilador implantável) e melhora na qualidade de vida ao paciente, preparamos um guia com orientações sobre os cuidados necessários e com esclarecimentos de dúvidas em relação ao uso do aparelho.

https://cardiologistaemjuizdefora.com.br/duvidas-sobre-desfibrilador-cardiaco-cdi/

Qualquer outra dúvida que surgir pode ser retirada com o cardiologista durante as consultas ou pelos nossos canais de atendimento disponíveis no site.