A ablação por cateter é um procedimento cardíaco minimamente invasivo realizado para tratamento de arritmias cardíacas. Assim como o estudo eletrofisiológico, é realizado através de finos cateteres que são levados ao coração sem a necessidade de cortes, sendo o tratamento de escolha para diversas arritmias cardíacas.

Quando é indicada a ablação por cateter?

A ablação de arritmias cardíacas por cateter tem a finalidade de cauterizar pontos específicos do coração onde se originam as arritmias cardíacas. Através de finos cateteres posicionados em locais estratégicos do coração guiados por raio-X, a energia de radiofrequência é aplicada e cauteriza o tecido doente como a conhecida cauterização de pele. Outra técnica de ablação disponível (crioablação), consiste no resfriamento do tecido cardíaco para tratamento das arritmias.

A ablação é um procedimento médico minimamente invasivo, realizado sob anestesia em sala de hemodinâmica com moderna estrutura de equipamentos para segurança do paciente, além de capacitada equipe médica e enfermagem. Os cateteres chegam ao coração através de veias puncionadas por agulhas, geralmente na região da virilha, não havendo cortes ou necessidade de pontos.

Inicialmente realiza-se o estudo eletrofisiológico para induzir o aparecimento da arritmia a ser tratada. Quando induzida a arritmia cardíaca, os sinais elétricos são analisados em um computador (polígrafo) e o diagnóstico da arritmia é confirmado com manobras indolores de estimulação elétrica. Alguns exames contam com o mapeamento eletroanatômico, um sistema sofisticado de precisão que apresenta imagem tridimensional do coração.

A maioria das arritmias cardíacas podem ser curadas com a ablação por radiofrequência, sendo realizada no mesmo procedimento.

Após o mapeamento da arritmia, o cateter de ablação é posicionado no local de origem da arritmia para aplicação da terapia. A duração da ablação varia de acordo com o tipo de arritmia e algumas são resolvidas com apenas 1 minuto de aplicação.

Ao final, um novo estudo eletrofisiológico é realizado para avaliar o sucesso da ablação.

Como é o preparo para a ablação?

O preparo local é feito com depilação das regiões da virilha e do peito, para colocação de eletrodos e punção de veias.

Alguns medicamentos precisam ser suspensos para que a arritmia aconteça durante o procedimento e o mapeamento preciso de seu foco de origem seja realizado. A necessidade de suspensão deve ser analisada pelo seu médico eletrofisiologista.

É necessário jejum de apenas 6 horas.

Como é a recuperação após a ablação?

Ao término da ablação cardíaca os cateteres são removidos da virilha e um curativo compressivo é mantido por 6 horas a fim de evitar sangramento. Neste momento, é preciso manter repouso no leito com a perna estendida.

Após esse período, o paciente pode levantar e caminhar, retornando suas atividades de rotina em 3 dias. Atividades que necessitam esforço físico devem ser evitadas por 1 a 2 semanas.

Não é necessário refazer o curativo, apenas lavar com água e sabão e manter a região limpa e seca. Pequenos hematomas no local onde os cateteres foram inseridos podem ocorrer e desaparecem sozinhos em 2 a 3 semanas. Se ficar dolorido ou houver aumento do hematoma, a equipe médica deve ser contactada.

Você receberá um laudo médico com todas as informações da ablação realizada, além dos registros eletrocardiográficos.

Avalie a manutenção ou suspensão de seus medicamentos com seu médico após o exame.

Quais são os riscos da ablação cardíaca?

É considerado um procedimento seguro e com baixo risco. Durante a consulta, o Dr. Glauco Bonato irá te explicar quais são os cuidados para evitar as complicações, que variam de acordo com o tipo de arritmia a ser tratada.

A complicação mais comum é a presença de mancha roxa (hematoma) no local onde foram introduzidos os cateteres. Outras complicações são raras e particulares de cada tipo de ablação, devendo ser esclarecidas com seu eletrofisiologista.

Não é recomendado sua realização durante a gravidez pelo uso de Raio-X.

O Dr. Glauco Bonato realiza o estudo eletrofisiológico e a ablação na cidade de Juiz de Fora nos hospitais Albert Sabin, Monte Sinai, Hospital Unimed e Santa Casa de Misericórdia.